Publicações

Para a submissão de artigos ou Working Papers para o CEsA, favor enviar um email para: comunicacao@cesa.iseg.ulisboa.pt

Desafios de um pequeno estado insular em desenvolvimento: Cabo Verde


O objetivo deste estudo é apresentar um diagnóstico do turismo em Cabo Verde e apontar os maiores desafios para o desenvolvimento sustentável em Cabo Verde. Para realizar este estudo, realizaram-se 19 entrevistas em profundidade (22 abril e 3 julho 2019) com gestores de diferentes setores em Cabo Verde. Este número de entrevistas permite-nos chegar a conclusões significativas. As autoridades de Cabo Verde devem ter em atenção que as ilhas se deparam com uma série de falta de alojamentos e infraestruturas, pouca diversificação dos produtos turísticos, elevados custos de água e energia, comunicações e infraestruturas além de uma limitada qualidade de formação profissional.

Explorando estados emocionais e consumo surpresa como fatores de envolvimento em festivais de música


O objetivo do presente estudo é explorar a relação entre os estados emocionais dos visitantes e o consumo surpresa com o envolvimento dos visitantes em festivais em Portugal. Uma amostra de questionários utilizáveis permitiu-nos entender que o consumo surpresa e a excitação são fatores muito importantes para envolver os visitantes de festivais de música. O artigo também fornece implicações para a gestão, limitações e pesquisas adicionais.

Effect of Battery Electric Vehicles on Greenhouse Gas Emissions in 29 European Union Countries


Esta análise explorou o efeito dos veículos eléctricos a bateria (BEVs) nas emissões de gases com efeito de estufa (GEE) num painel de vinte e nove países da União Europeia (UE) de 2010 a 2020. Foi utilizado o método de regressão quantitativa de momentos (MM-QR), e os mínimos quadrados comuns com efeitos fixos (OLSfe) foram utilizados para verificar a robustez dos resultados. O MM-QR apoia que, nos três quantis, o crescimento económico causa um impacto positivo nos GEE. Nos quantis 50 e 75, o consumo de energia causa um efeito positivo sobre os GEE. Os BEV nos 25º, 50º, e 75º quantis têm um impacto negativo sobre os GEE. O OLSfe revela que o crescimento económico tem um efeito negativo sobre os GEE, o que contradiz os resultados do MM-QR. O consumo de energia tem um impacto positivo sobre os GEE. Os BEVs têm um impacto negativo sobre os GEE. Embora a UE tenha apoiado um sistema de transporte mais sustentável, acelerar a adopção de BEVs ainda requer um planeamento político eficaz para atingir emissões líquidas nulas. Assim, os BEV são uma tecnologia importante para reduzir os GEE a fim de atingir as metas da UE de descarbonização do sector energético. Este tópico de investigação pode abrir o debate político entre a indústria, o governo e os investigadores, no sentido de assegurar que os BEV proporcionem uma via de mitigação das alterações climáticas na região da UE.

The Effects of Corruption, Renewable Energy, Trade and CO2 Emissions


A corrupção reflete um conjunto de atividades ilegais que põem em risco o bom funcionamento das economias, da sociedade, e das questões climáticas e ambientais. Este artigo testa as relações entre crescimento económico, corrupção, energias renováveis, comércio internacional, e emissões de dióxido de carbono utilizando dados de painel para países europeus, nomeadamente Portugal, Espanha, Itália, Irlanda, e Grécia, de 1995 a 2015. Como estratégia econométrica, esta investigação utiliza o painel totalmente modificado de mínimos quadrados (FMOLS), painel dinâmico de mínimos quadrados (DOLS), e painel estimador de mínimos quadrados em duas fases (TSLS). Considerando as variáveis utilizadas na investigação e o teste de raiz da unidade de painel, observámos que as variáveis estão integradas I (1) na primeira diferença. As variáveis de corrupção, crescimento económico, energias renováveis, comércio internacional, e emissões de dióxido de carbono são cointegradas a longo prazo, utilizando os argumentos do teste de cointegração residual de Pedroni e Kao. A metodologia de Dumitrescu-Hurlin para testar a causalidade entre emissões de dióxido de carbono, corrupção, crescimento económico e energias renováveis mostra que existe uma causalidade unidirecional entre emissões de dióxido de carbono e corrupção e crescimento económico e corrupção. Os resultados sugerem que o índice de corrupção e o crescimento económico têm um impacto positivo estatisticamente significativo nas emissões de dióxido de carbono. No entanto, as energias renováveis e o comércio internacional reduzem as alterações climáticas e melhoram a qualidade ambiental.

Testing the Role of Trade on Carbon Dioxide Emissions in Portugal


Este artigo considera a relação entre a intensidade do comércio, o consumo de energia, o rendimento per capita, e as emissões de dióxido de carbono de 1970-2016 para a economia portuguesa. Considerando os argumentos da concorrência monopolista, o artigo testa as hipóteses de comércio e consumo de energia sobre as alterações climáticas. Utilizamos o modelo autoregressivo distribuído de lag-ARDL, regressão de quantis, e modelos de cointegração tais como os mínimos quadrados ordinários totalmente modificados (FMOLS), regressão de cointegração canónica, e mínimos quadrados ordinários dinâmicos (DOLS) como uma estratégia econométrica. Os resultados econométricos têm apoio com a revisão da literatura. As variáveis utilizadas nesta investigação são integradas com as primeiras diferenças, como indicado pelo teste de raiz unitária. O estudo empírico prova que a intensidade do comércio contribui para melhorias ambientais. No entanto, o consumo de energia apresenta um impacto positivo nas emissões de CO2. Os resultados econométricos também demonstraram que existe um sistema ambiental sustentável a longo prazo.

Fresh Validation of the Low Carbon Development Hypothesis under the EKC Scheme in Portugal, Italy, Greece and Spain


O presente estudo está em conformidade com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (UN-SDGs), que abordam questões globais pertinentes. Centra-se na necessidade de acesso ao consumo de energia limpa e acessível, consumo responsável de energia, crescimento económico sustentável, e mitigação das alterações climáticas. Para este fim, este documento avalia a relevância do setor das energias renováveis no quadro da curva ambiental Kuznets (EKC) em Portugal, Itália, Grécia, e Espanha para o período 1995-2015. Como estratégia econométrica, adotamos a utilização de dados de painel sobre os países destacados. No primeiro passo, aplicamos o teste de raiz unitário recomendado por Levin, Lin, e Chu em conjunto com ADF-Fisher, e Phillips-Perron para robustez e consistência. Verificámos que as variáveis utilizadas neste estudo estão integradas I (1) na primeira diferença. Na segunda etapa, aplicamos o teste de cointegração Pedroni, e o teste de cointegração Kao Residual, e observamos que as variáveis são cointegradas a longo prazo. Os mínimos quadrados generalizados (GLS), o painel de mínimos quadrados totalmente modificado (FMOLS), os mínimos quadrados comuns robustos (OLS), e a regressão de quantis do painel são considerados nesta investigação. Os resultados econométricos validam a hipótese da curva ambiental Kuznets, ou seja, e existe uma correlação positiva entre o rendimento per capita e um efeito negativo do rendimento quadrático per capita sobre as emissões de dióxido de carbono. Em contraste, observamos que as energias renováveis reduzem as emissões de CO2. Finalmente, encontramos também uma ligação direta entre a população urbana e a degradação ambiental nos blocos examinados. Estes resultados mostram que em Portugal, Itália, Grécia, e Espanha, é necessário mais para alcançar a sustentabilidade ambiental na trajetória de crescimento dos respetivos países. Outras prescrições políticas são anexadas na secção de conclusão deste estudo.

The Impact of Renewable Energy and Economic Complexity on Carbon Emissions in BRICS Countries under the EKC Scheme


A complexidade económica permite avaliar o desenvolvimento dos países, as relações de inovação e a diferenciação dos produtos. O artigo considera as ligações entre as hipóteses da curva ambiental de Kuznets e a complexidade económica, utilizando dados de painel para o grupo de países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, e África do Sul) de 1990 a 2015. Como estratégia econométrica, este estudo considerou o painel totalmente modificado de mínimos quadrados (FMOLS), painel dinâmico de mínimos quadrados (DOLS), efeitos fixos (FE), e Painel de Regressão de Quantidade. Os resultados empíricos mostraram que a complexidade económica, o rendimento per capita, a energia renovável e as emissões de dióxido de carbono estão integrados com a primeira diferença quando se aplica o teste de raiz unitária. Foram também utilizados os argumentos dos testes de Pedroni e Kao de cointegração. De acordo com estes resultados, as variáveis utilizadas nesta investigação são cointegradas a longo prazo. Os resultados validaram os argumentos da hipótese do EKC, ou seja, o rendimento per capita e o rendimento quadrático per capita estão positivamente e negativamente correlacionados com as emissões de CO2. Além disso, a complexidade económica e as energias renováveis visam melhorar os danos ambientais e as alterações climáticas.

Identifying differences and similarities between donors regarding the long-term allocation of official development assistance


Os países avançados comprometeram-se a mobilizar recursos financeiros adicionais para os países em desenvolvimento, incluindo financiamento de múltiplas fontes que não a ajuda pública ao desenvolvimento (APD), conhecida como ajuda externa. No entanto, o efeito da nova pandemia de coronavírus levantou dúvidas sobre a viabilidade de tal promessa, salientando, mais uma vez, o possível papel da ODA e a importância de explicar a sua atribuição, que poderia ser de vital relevância para a compreensão da sua eficácia. Este estudo analisa um vasto número de doadores bilaterais e multilaterais, aplicando uma nova metodologia no contexto da afetação da ajuda – análise dos principais componentes – abrangendo o período 1990-2015. Os resultados revelaram quatro grupos distintos de doadores: (i) os doadores proporcionalmente maiores da Europa Ocidental, caracterizados por um número significativo de beneficiários, especialmente países de baixo rendimento; (ii) doadores que são predominantemente motivados por laços estruturais com os beneficiários, especialmente laços derivados de ligações coloniais; (iii) um grupo de doadores principalmente da Europa Oriental que estão envolvidos com países de baixo rendimento da Europa Oriental e Ásia Ocidental; e (iv) um grupo de doadores asiáticos e oceânicos que selecionam os seus parceiros principalmente com base no critério da proximidade geográfica.

Navigating ontological (in)security in EU–Africa relations


Seis décadas depois e várias tentativas de redefinir as relações UE-África, é apropriado fazer um balanço das relações, especialmente à luz das mudanças ocorridas em ambos os continentes desde 2000. Este artigo baseia-se na ideia de segurança ontológica para compreender a natureza das mudanças e continuidades no envolvimento da UE com África. Argumenta que as relações UE-África que se basearam numa colonialidade de poder também foram cruciais para a segurança ontológica da UE. No entanto, a crescente agência africana e novos actores externos como a China em África estão a desafiar esta segurança. Embora os desafios à segurança ontológica da UE tenham sido vistos como sendo constituídos principalmente internamente, os desafios externos dentro de um contexto específico oferecem a oportunidade de repensar o que a segurança ontológica exige. É importante notar que este artigo destaca a razão pela qual uma parceria de iguais é um imperativo urgente para o futuro das relações UE-África, embora continue a ser esquiva.

Common causes in grassroot development: a case for community-based and community-driven response in the postpandemic era


O objectivo deste estudo é determinar o impacto das abordagens baseadas e conduzidas em comunidade durante os lockdowns e períodos iniciais da pandemia. O estudo examina o impacto e as percepções da intervenção liderada pelo Estado. Isto ajudaria a descobrir uma melhor abordagem para intervenções e respostas políticas pós-pandémicas.


ISEG - Lisbon School of Economics and Management

Rua Miguel Lupi, nº20
1249-078 Lisboa
Portugal

  +351 21 392 5983 

   comunicacao@cesa.iseg.ulisboa.pt