RUMOS RTP – “Territórios da Memória”

No passado mês de novembro a equipe do Programa Rumos conversou com Iolanda Évora, Coordenadora do Projeto AFRO-PORT Afrodescendência em Portugal e visitou a exposição TERRITÓRIOS DA MEMÓRIA – A Área Metropolitana de Lisboa pelo Olhar de Africanos e Afrodescendentes. O resultado pode ser visto no Episódio de 25.11 https://www.rtp.pt/play/p6582/rumos Rumos é um programa de […]

Continuar a ler… from RUMOS RTP – “Territórios da Memória”

ULISBOA ENTREVISTA | Iolanda Évora e Inocência Mata – “Não fomos nós que inventamos o negro, foram os brancos”

A Edição 14, da Universidade de Lisboa (2020) traz uma entrevista com as Professoras Iolanda Évora e Inocência Mata, respectivamente PI e Co-PI do Projeto AFRO-PORT. Iolanda Évora é doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo e professora do mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional do Instituto Superior de Economia e Gestão. Inocência […]

Continuar a ler… from ULISBOA ENTREVISTA | Iolanda Évora e Inocência Mata – “Não fomos nós que inventamos o negro, foram os brancos”

VISITA GUIADA | Exposição Territórios da Memória

No último dia 05/11 a Exposição Audiovisual Territórios da Memória – A área Metropolitana de Lisboa pelo Olhar de Africanos e Afrodescendentes recebeu um grupo de jovens da Associação Passa Sabi, que, acompanhados de Joana Moura, gestora da instituição, puderam conhecer as obras em exposição no Centro Cultural de Cabo Verde. A visita guiada faz […]

Continuar a ler… from VISITA GUIADA | Exposição Territórios da Memória

As pessoas não aceitam que haja uma portuguesa negra. Começa aí o nosso sentimento de não-pertença

Com 33 anos e a trabalhar na área de Marketing Digital, Mariama Injai é Afromary — assina assim o canal que criou no YouTube para contrariar a falta de representatividade negra em Portugal. Experiências pessoais, microagressões, racismo: há espaço para falar de tudo. “É é assim que se cria aceitação.” […]

Continuar a ler… from As pessoas não aceitam que haja uma portuguesa negra. Começa aí o nosso sentimento de não-pertença

Afinal, eles também são “nós”?

Afinal, eles também são “nós”? Esse é o tema da conversa com Iolanda Évora nessa sexta-feira, dia 17 de julho. Iolanda Évora é doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo- USP, investigadora do CEsA/CSG, ISEG, Universidade de Lisboa e Professora do Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional (DCI) do ISEG. É coordenadora do […]

Continuar a ler… from Afinal, eles também são “nós”?

Bairros precários: Estado está “hiper-ausente” nos direitos, mas “hiper-presente” no controlo e repressão

A antropóloga Ana Rita Alves, doutoranda no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, e investigadora do Projeto AFRO-PORT- Afrodescendência em Portugal fala da relação entre precariedade habitacional, saúde e racismo durante a pandemia. E afirma: “Há um imaginário racista que desumaniza e impede que se olhe para as pessoas racializadas como iguais, como vidas choráveis. […]

Continuar a ler… from Bairros precários: Estado está “hiper-ausente” nos direitos, mas “hiper-presente” no controlo e repressão

Conversas AFRO-PORT: Afrodescendência em debate

Enquanto espaços de produção coletiva de conhecimento, guiados pela metodologia horizontal que inspira o projeto no seu todo, as Conversas AFRO-PORT: Afrodescendência em debate, pretendem ser espaços seguros de encontro para o encontro de pessoas e movimentos negros-africanos em Portugal, promovendo a reflexão e discussão sobre os diferentes usos do termo afrodescendente. […]

Continuar a ler… from Conversas AFRO-PORT: Afrodescendência em debate

Memórias coloniais: Imigrantes africanos e afrodescendentes querem mais visibilidade em Portugal

A diáspora africana tem mais um espaço, criado por académicos, para o relato das suas histórias de vida como imigrantes desde o período colonial. Através de entrevistas em vídeo, o grupo dos projetos AFRO-PORT ouviu os testemunhos de africanos, afrodescendentes e afro-diaspórios em Portugal, marcados de forma intensa pela negação da queda do império colonial após o 25 de abril de 1974. Trata-se de mais um instrumento contra a invisibilidade dos imigrantes africanos e dos negros nascidos em território português. […]

Continuar a ler… from Memórias coloniais: Imigrantes africanos e afrodescendentes querem mais visibilidade em Portugal