Arquivo de Crescimento - CEsA

Crescimento

Tourism Competitiveness in Cape Verde: The case of Tarrafal/Santiago


Resumo:

O estudo da competitividade tem ganhado cada vez mais importância nas últimas décadas. O Governo de Cabo Verde elegeu o Tarrafal como pólo de desenvolvimento da competitividade turística. Dado que a validação empírica da competitividade de Cabo Verde ainda é deficitária, a presente investigação visa analisar os determinantes da vantagem competitiva do turismo no Tarrafal. Para atingir este objetivo, foi adotada uma metodologia qualitativa baseada numa amostra dos 136 principais players da área do turismo e na criação de quatro grupos de trabalho durante as Jornadas Técnicas do Tarrafal (1 e 2 de julho de 2022) para melhor discutir estas questões. A discussão das conclusões finais de cada grupo de trabalho permitiu sistematizar algumas das principais alternativas de desenvolvimento do Tarrafal como pólo turístico estratégico. Foram também apresentadas implicações importantes para os gestores, tais como a importância de desenvolver e reforçar as tradições culturais, reforçar o empreendedorismo de forma a maximizar o valor da cadeia turística através da implementação de melhores infra-estruturas (melhores estradas, um porto marítimo e um aeródromo), diversificar a oferta turística assenta em diferentes segmentos (cultura, natureza, desporto, eventos, teletrabalho entre outros) e beneficia outras regiões e concelhos do concelho.

 

Citação:

Sarmento, Eduardo Moraes e José Luís Mascarenhas Monteiro (2023). ” Tourism competitiveness in Cape Verde : the case of Tarrafal/Santiago”. Revista Turismo & Desenvolvimento, 42:117-132

A primazia pela acomodação da economia brasileira


Abstract:

A economia-mundo capitalista está imersa em uma inércia generalizada. Um movimento de lenta acumulação, baixo investimento, limitadas taxas de crescimento, mas com elevado nível de lucro, e que se dá por uma intensa pressão sobre os níveis das desigualdades existentes, combinando reestruturação mundial da geração de riqueza e renda a um padrão de reprodução da força de trabalho ao nível de sua limitada manutenção. Inércia que se verifica, sobretudo, a partir da crise financeiro-produtiva da primeira década dos anos de 2000. O Brasil não está alheio a essa inércia e aos seus desdobramentos. Este artigo pretende, a partir de uma reflexão conceitual, discutir os elementos que caracterizam o que denomino de estrutura da acomodação da economia brasileira.

Citação:

Moreira, Marcelo José (2021). “A primazia pela acomodação da economia brasileira”. Revista de Economia da UEG. 17(2), p. 44-65.

The Effects of Corruption, Renewable Energy, Trade and CO2 Emissions

The Effects of Corruption, Renewable Energy, Trade and CO2 Emissions


Resumo:

A corrupção reflete um conjunto de atividades ilegais que põem em risco o bom funcionamento das economias, da sociedade, e das questões climáticas e ambientais. The Effects of Corruption, Renewable Energy, Trade and CO2 Emissions testa as relações entre crescimento económico, corrupção, energias renováveis, comércio internacional, e emissões de dióxido de carbono utilizando dados de painel para países europeus, nomeadamente Portugal, Espanha, Itália, Irlanda, e Grécia, de 1995 a 2015. Como estratégia econométrica, esta investigação utiliza o painel totalmente modificado de mínimos quadrados (FMOLS), painel dinâmico de mínimos quadrados (DOLS), e painel estimador de mínimos quadrados em duas fases (TSLS). Considerando as variáveis utilizadas na investigação e o teste de raiz da unidade de painel, observámos que as variáveis estão integradas I (1) na primeira diferença. As variáveis de corrupção, crescimento económico, energias renováveis, comércio internacional, e emissões de dióxido de carbono são cointegradas a longo prazo, utilizando os argumentos do teste de cointegração residual de Pedroni e Kao. A metodologia de Dumitrescu-Hurlin para testar a causalidade entre emissões de dióxido de carbono, corrupção, crescimento económico e energias renováveis mostra que existe uma causalidade unidirecional entre emissões de dióxido de carbono e corrupção e crescimento económico e corrupção. Os resultados sugerem que o índice de corrupção e o crescimento económico têm um impacto positivo estatisticamente significativo nas emissões de dióxido de carbono. No entanto, as energias renováveis e o comércio internacional reduzem as alterações climáticas e melhoram a qualidade ambiental.

 

Citação:

Leitão, N.C. (2021b). The Effects of Corruption, Renewable Energy, Trade and CO2 Emissions (MDPI) 2021, 9 (2), 62. https://doi.org/10.3390/economies9020062

Fresh Validation of the Low Carbon Development Hypothesis under the EKC Scheme in Portugal, Italy, Greece and Spain

Fresh Validation of the Low Carbon Development Hypothesis under the EKC Scheme in Portugal, Italy, Greece and Spain


Resumo:

Fresh Validation of the Low Carbon Development Hypothesis under the EKC Scheme in Portugal, Italy, Greece and Spain está em conformidade com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (UN-SDGs), que abordam questões globais pertinentes. Centra-se na necessidade de acesso ao consumo de energia limpa e acessível, consumo responsável de energia, crescimento económico sustentável, e mitigação das alterações climáticas. Para este fim, este documento avalia a relevância do setor das energias renováveis no quadro da curva ambiental Kuznets (EKC) em Portugal, Itália, Grécia, e Espanha para o período 1995-2015. Como estratégia econométrica, adotamos a utilização de dados de painel sobre os países destacados. No primeiro passo, aplicamos o teste de raiz unitário recomendado por Levin, Lin, e Chu em conjunto com ADF-Fisher, e Phillips-Perron para robustez e consistência. Verificámos que as variáveis utilizadas neste estudo estão integradas I (1) na primeira diferença. Na segunda etapa, aplicamos o teste de cointegração Pedroni, e o teste de cointegração Kao Residual, e observamos que as variáveis são cointegradas a longo prazo. Os mínimos quadrados generalizados (GLS), o painel de mínimos quadrados totalmente modificado (FMOLS), os mínimos quadrados comuns robustos (OLS), e a regressão de quantis do painel são considerados nesta investigação. Os resultados econométricos validam a hipótese da curva ambiental Kuznets, ou seja, e existe uma correlação positiva entre o rendimento per capita e um efeito negativo do rendimento quadrático per capita sobre as emissões de dióxido de carbono. Em contraste, observamos que as energias renováveis reduzem as emissões de CO2. Finalmente, encontramos também uma ligação direta entre a população urbana e a degradação ambiental nos blocos examinados. Estes resultados mostram que em Portugal, Itália, Grécia, e Espanha, é necessário mais para alcançar a sustentabilidade ambiental na trajetória de crescimento dos respetivos países. Outras prescrições políticas são anexadas na secção de conclusão deste estudo.

 

Citação:

Balsalobre-Lorente, D., Leitão, N.C., Bekun, F., V. (2021). Fresh Validation of the Low Carbon Development Hypothesis under EKC Scheme in Portugal, Italy, Greece, and Spain. Energies 2021. 14(1), 250. https://doi.org/10.3390/en14010250

The Impact of Renewable Energy and Economic Complexity on Carbon Emissions in BRICS Countries under the EKC Scheme

The Impact of Renewable Energy and Economic Complexity on Carbon Emissions in BRICS Countries under the EKC Scheme


Resumo:

A complexidade económica permite avaliar o desenvolvimento dos países, as relações de inovação e a diferenciação dos produtos. O artigo considera as ligações entre as hipóteses da curva ambiental de Kuznets e a complexidade económica, utilizando dados de painel para o grupo de países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, e África do Sul) de 1990 a 2015. Como estratégia econométrica, The Impact of Renewable Energy and Economic Complexity on Carbon Emissions in BRICS Countries under the EKC Scheme considerou o painel totalmente modificado de mínimos quadrados (FMOLS), painel dinâmico de mínimos quadrados (DOLS), efeitos fixos (FE), e Painel de Regressão de Quantidade. Os resultados empíricos mostraram que a complexidade económica, o rendimento per capita, a energia renovável e as emissões de dióxido de carbono estão integrados com a primeira diferença quando se aplica o teste de raiz unitária. Foram também utilizados os argumentos dos testes de Pedroni e Kao de cointegração. De acordo com estes resultados, as variáveis utilizadas nesta investigação são cointegradas a longo prazo. Os resultados validaram os argumentos da hipótese do EKC, ou seja, o rendimento per capita e o rendimento quadrático per capita estão positivamente e negativamente correlacionados com as emissões de CO2. Além disso, a complexidade económica e as energias renováveis visam melhorar os danos ambientais e as alterações climáticas.

 

Citação:

Leitão, N.C., Balsalobre-Lorente, D., Cantos-Cantos, J.M. The Impact of Renewable Energy and Economic Complexity on Carbon Emissions in BRICS Countries under the EKC Scheme. Energies 2021, 14, 4908. https://doi.org/10.3390/en14164908

Reform Design Matters: The Role of Structural Policy Complementarities

Reform Design Matters: The Role of Structural Policy Complementarities


Resumo:

Neste capítulo, Reform Design Matters: The Role of Structural Policy Complementarities, discutimos as possíveis interacções entre domínios de política estrutural. Embora relativamente mais estudadas no contexto da literatura de transição pós-comunista, a nossa pesquisa sugere que as relações deste tipo são mais gerais e podem ser importantes para melhorar a nossa compreensão da relação entre as reformas estruturais e o crescimento económico a longo prazo. Dada a sua potencial relevância para a concepção de pacotes de reformas bem sucedidos, explorar de forma mais exaustiva a noção de que o efeito de uma dada reforma sobre o crescimento económico depende dos progressos alcançados noutras áreas políticas deve ser um ponto prioritário para a investigação futura. Isto pode ser particularmente relevante para ajudar a desbloquear o potencial de crescimento de muitos países em desenvolvimento e emergentes, nomeadamente no que diz respeito à sua integração na economia global. Os autores gostariam de agradecer a Elodie Douarin e Oleh Havrylyshyn pelos comentários muito úteis sobre a primeira versão deste documento. As opiniões expressas no presente documento são as dos autores e não reflectem necessariamente as da OCDE e dos seus países membros. Rocha reconhece o apoio financeiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (Portugal) através da bolsa de investigação UIDB/05069/2020.

 

Citação:

Oliveira-Martins, J., da Rocha, B.T. (2021). Reform Design Matters: The Role of Structural Policy Complementarities. In: Douarin, E., Havrylyshyn, O. (eds) The Palgrave Handbook of Comparative Economics. Palgrave Macmillan, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-030-50888-3_19

Acerca da repartição funcional do rendimento na economia  Portuguesa

Acerca da Repartição Funcional do Rendimento na Economia Portuguesa


Resumo:

A repartição funcional do rendimento – isto é, a questão da sua distribuição primária pelos diferentes fatores de produção e em particular entre rendimentos do trabalho (salários) e rendimentos do capital (lucros, juros e rendas) – é um dos grandes temas da economia política desde os seus primórdios. O artigo analisa empiricamente a evolução da parte dos salários no rendimento em Portugal entre 1960 e 2017, propondo uma grelha de interpretação da evolução da repartição funcional na economia portuguesa caracterizada pela existência de diferentes períodos. Consoante o período em questão, os resultados empíricos revelam a existência de associações fortes e significativas da evolução da repartição funcional com a taxa de crescimento real do PIB, com a taxa de inflação e com a taxa de desemprego, respetivamente. Estes resultados sugerem a sucessão ao longo do tempo de diferentes regimes de regulação da distribuição funcional do rendimento na economia portuguesa, que passam de contracíclicos a procíclicos no decurso do período em análise. O artigo está organizado da seguinte forma: após esta introdução, a secção 2 discute brevemente o interesse da análise da repartição funcional do rendimento e a sua ligação com alguns outros debates da teoria e análise económicas; a secção 3 descreve em traços gerais a evolução da repartição funcional do rendimento na economia portuguesa nas décadas desde 1960 e as suas principais tendências ao longo do tempo; a secção 4 procede a um conjunto de análises bivariadas, multivariadas e de estabilidade estrutural a fim de contribuir para a melhor compreensão dos fatores determinantes dessa evolução; e a secção 5 enuncia as principais conclusões.

 

Citação:

Abreu, Alexandre; July 2020; 3) “Acerca da repartição funcional do rendimento na economia portuguesa”; Notas Económicas, no. 50; 8) pp. 85-101.

The Role of Tourism, Trade, Renewable Energy Use and Carbon Dioxide Emissions on Economic Growth: Evidence of Tourism-Led Growth Hypothesis in EU-28

The role of tourism, trade, renewable energy use and carbon dioxide emissions on economic growth: evidence of tourism-led growth hypothesis in EU-28


Resumo:

The Role of Tourism, Trade, Renewable Energy Use and Carbon Dioxide Emissions on Economic Growth: Evidence of Tourism-Led Growth Hypothesis in EU-28 examina os efeitos das energias renováveis, comércio, emissões de dióxido de carbono e turismo internacional no crescimento económico na UE-28, considerando os dados do painel para o período 1995-2014. A investigação encontra os novos determinantes do crescimento económico. Os resultados empíricos encontram o apoio do painel de mínimos quadrados totalmente modificados (FMOLS), painel de mínimos quadrados dinâmicos (DOLS) e efeitos fixos (FE) como técnicas de estimativa. Os resultados econométricos são consistentes com a literatura existente. As variáveis consideradas neste estudo são cointegradas na primeira diferença, como sugerido pelo teste de raiz da unidade de painel. O presente estudo procura fazer avançar o conhecimento dos determinantes do crescimento, prestando atenção ao efeito que tanto o sector do turismo como o da energia exercem sobre o crescimento económico dos países da UE-28. Os resultados empíricos demonstram que a abertura comercial, a chegada de turistas e as energias renováveis encorajam o crescimento económico. Por conseguinte, de acordo com os resultados econométricos, as energias renováveis permitem melhorar a qualidade ambiental. No entanto, as emissões de CO2 estão positivamente correlacionadas com o crescimento económico, mostrando que o crescimento está directamente correlacionado com as alterações climáticas e os gases com efeito de estufa. Os resultados confirmam também a hipótese de crescimento orientado para o turismo (TLGH) para o painel. Finalmente, os resultados empíricos confirmam que a abertura comercial, a utilização de energia e o turismo internacional contribuem para aumentar o crescimento económico. Com base nestas conclusões, são oferecidas mais informações e prescrições políticas na secção final.

 

Citação:

“Balsalobre-Lorente, D., Leitão, N.C. (2020): The Role of Tourism, Trade, Renewable Energy Use and Carbon Dioxide Emissions on Economic Growth: Evidence of Tourism-Led Growth Hypothesis in EU-28. Environmental Science and Pollution Research. Publisher: Springer International Publishing”

The Causality between Energy Consumption, Urban Population, Carbon Dioxide Emissions and Economic Growth

The Causality between Energy Consumption, Urban Population, Carbon Dioxide Emissions and Economic Growth


Resumo:

The Causality between Energy Consumption, Urban Population, Carbon Dioxide Emissions and Economic Growth avalia a relação entre o consumo de energia eléctrica e a urbanização comparando os resultados econométricos do desfasamento autoregressivo distribuído (ARDL) e do autoregressivo vectorial (VAR) para o período 1960-2015. A causalidade granjeira é também aplicada à economia portuguesa. Neste estudo, usamos algumas hipóteses que descrevem a ligação entre o consumo de energia eléctrica, população urbana, emissões de dióxido de carbono, e crescimento económico. A motivação desta investigação centra-se na relação entre o consumo de energia eléctrica (consumo de energia) e a população urbana, apoiada pelas contribuições teóricas e empíricas da energia e da economia urbana. Os resultados empíricos mostram que o consumo de energia eléctrica apresenta uma causalidade com o crescimento económico, a população urbana, as emissões de dióxido de carbono, e o comércio internacional. Esta investigação também prova que existe cointegração entre todas as variáveis a longo prazo. Este documento apresenta contribuições significativas para a política económica, mostrando que existe uma associação entre o consumo de energia e o crescimento económico.

 

Citação:

Leitão, N.C. & Lorente, D. B. (2020): The Causality between Energy Consumption, Urban Population, Carbon Dioxide Emissions and Economic Growth. Springer Handbook Green Energy Series: Econometry of Green Energy- Economy and Technological and Development. Publisher: Springer.

Growth and debt in Angola at provincial level

Working Paper 172/2018: Growth and Debt in Angola at Provincial Level


Resumo:

A relação entre crescimento e dívida atraiu alguma investigação no passado. Esta hipótese foi testada para países em desenvolvimento e provas de países africanos restritas. Reinhart e Rogoff (2010) descobrem que as taxas de crescimento caem no mercado avançado e emergente economias quando o rácio da dívida pública em relação ao PIB excede 90 por cento e essa elevada dívida estão correlacionados com uma inflação mais elevada apenas nos mercados emergentes. Os fracos Hipótese governamental afirma que a fragmentação governamental leva a um público mais elevado défices e dívidas. Esta relação pode ser explicada pela inacção governamental, problemas comuns ou a utilização estratégica da dívida que surgem nos governos de coligação. Por conseguinte, este artigo analisa a relação entre a dívida e crescimento nas províncias de Angola de 2004 a 2015, utilizando um modelo espacial. O modelo espacial modelo é adequado no contexto actual, uma vez que o foco é a nível regional. O modelo SAC- Autocorrelação Espacial é adequado quando a autocorrelação espacial é intenso como é no contexto de Angola. A motivação para Growth and debt in Angola at provincial level é a seguinte: primeiro, o crescimento a nível regional é geralmente inferior ao nacional, revelando heterogeneidade entre as províncias angolanas que justifica a investigação entre crescimento e dívidas. Em segundo lugar, a despesa pública regional é tida em conta uma vez que se trata de componente do crescimento e da dívida. Em terceiro lugar, a dívida pública regional não é publicada em Angola e o acesso a ele necessita de um ministério das finanças de acordo. Este acesso restrito significa que se trata de uma questão política e, portanto, pode esconder algumas questões políticas. Por conseguinte, a sua utilização e crescimento em papel de dívida é curiosa. Além disso, a Angola as províncias regionais são geridas pelo MPLA- Movimento Popular de Libertação de Angola membros, o governo em exercício, significando que existe uma centralidade de poder que aumenta a correlação espacial regional. Este artigo analisa o crescimento do PIB e a dívida pública ao nível provincial em Angola de 2004-2015, usando um modelo espacial. Primeiramente é estimado um painel do modelo de autocorrelação SAC -Spatial. Posteriormente, é adotado um teste robusto estimando o modelo dinâmico espacial linear de Hans-Philips. Finalmente, um modelo 3sls espacial é estimado levando em consideração a possibilidade de endogeneidade da autocorrelação espacial regional. Os três modelos dão resultados semelhantes revelando que em Angola a despesa pública aumenta o crescimento do PIB mas a dívida diminui. 

 

Citação:

Reis, César Fernando e Jelson Serafim (2018). “Growth and debt in Angola at provincial level”. Instituto Superior de Economia e Gestão – CEsA/ CSG –Documentos de Trabalho nº 172/2018.


ISEG - Lisbon School of Economics and Management

Rua Miguel Lupi, nº20
1249-078 Lisboa
Portugal

  +351 21 392 5983 

   comunicacao@cesa.iseg.ulisboa.pt